Quando a renda fixa se torna uma cilada?

10/01/2022 22:23:10

2 min e 47 segundos

Principais pontos da leitura

Renda fixa também tem riscos e você deve pelo menos saber que eles existem.
Resgatar um título antes do vencimento pode te trazer prejuízos.
A renda fixa pode se tornar uma cilada quando você não diversifica seus investimentos e aposta apenas nessa modalidade.

Com o atual cenário de alta dos juros, os ativos de renda fixa voltaram a chamar atenção de muita gente. Mas, como todo investimento, ela também tem seus riscos. Em alguns momentos, o ativo queridinho do investidor pode se tornar uma cilada. Veja quatro situações em que isso pode acontecer:

Quando há mudança na inflação e nos juros

No ano passado, muitos investidores acabaram migrando para a renda fixa por conta da alta dos juros. O perigo, no entanto, está na elevação da Selic  acima do valor contratado, fazendo com que o investidor perca dinheiro. “Também existe um risco nos títulos de renda fixa que pagam inflação mais um cupom (NTN-B que é o Tesouro IPCA+). Se a Selic descolar muito do IPCA (a diferença entre juros e inflação) a ponto do cupom ser menor do que esta diferença, o título também se torna menos interessante. Por isso a importância de se atentar a estas particularidades e à marcação a mercado“, ressalta Luciana Ikedo, assessora de investimentos e sócia no escritório RV4 Investimentos.

Quando você não respeita o prazo

Resgatar um título antes do vencimento pode te trazer prejuízos. “Se no momento do resgate o mercado estiver ofertando títulos com taxas menores do que as contratadas pelo investidor, a marcação a mercado será positiva e o título será vendido com ágio. Se, ao contrário, as taxas oferecidas no mercado estiverem maiores do que o título que o investidor quer liquidar, a marcação a mercado será negativa e o título será vendido com deságio”, explica Luciana. Portanto, melhor do que flertar com a sorte é respeitar o vencimento do título.

Quando você ignora o FGC

O Fundo Garantidor de Crédito (FGC) é uma entidade privada e sem fins lucrativos que protege aqueles que investem em instituições associadas a eles. Se a instituição quebrar, o FGC garante a devolução de até R$ 250 mil do valor investido. “O FGC é uma segurança a mais para o investidor, mas tem um valor limitado. Por isso, estar atento a este limite e observar o rating do emissor também é algo essencial para reduzir os riscos nesta modalidade de investimento”, alerta Luciana.

Quando você não diversifica

A renda fixa pode se tornar uma cilada quando você não diversifica seus investimentos e aposta apenas nessa modalidade. Luciana ressalta: “A diversificação é essencial para reduzir riscos e maximizar os resultados. Ao não diversificar, ou ele ganha muito ou perde tudo. Se o investidor fizer a aposta certa ele poderá ter ganhos maiores. Mas atenção: se ele fizer a escolha errada, as perdas serão grandes. Não diversificar sempre aumentará o risco da carteira”.


Fonte: Inteligência Financeira

Investimentos RPPS é um portal independente de publicações sobre mercado financeiro, gestão e finanças em geral. Voltado, principalmente, para Regimes Próprios de Previdência Social.
06/05/22
Confira 10 mães que chegaram ao topo no mercado corporativo
03/05/22
Entenda o que o Dia das Mães representa para a economia do país
21/04/22
Contabilidade mental: entenda como funciona esse viés e veja como se proteger dele

Leia também

Deixe o seu comentário