Fechamento Abril

Por Joane Weinert

Destaques de ABRIL

Vacinas, COVID e CPI 

Mesmo com dados ainda preocupantes com relação a casos e óbitos, o ritmo de vacinação tem acelerado. A Anvisa vetou a importação da vacina russa por falta de documentações, mas, por outro lado, o Instituto Butantan começou a produzir doses da vacina Butanvac. 

O Senado Federal instalou a CPI da Covid, com o senador Renan Calheiros na relatoria, apesar das tentativas do governo de impedir o movimento. Apesar da falta de certeza sobre os rumos de uma CPI, esta investigação pode responder a uma série de perguntas sobre como o Governo Federal conduziu as decisões com relação à pandemia. 

Fim da Novela do Orçamento 

A LOA (Lei Orçamentária Anual) foi finalmente sancionada, no dia 22, aos 45 do segundo tempo, com alguns vetos e acordos entre Governo e Congresso para destravar as contas públicas de 2021. Prevendo corte de verba em ministérios para recompor gastos obrigatórios e manter emendas. 

A Lei Orçamentária foi sancionada com veto a R$ 19 bilhões, que foram cancelados definitivamente, e contingenciamento de R$ 9,3 bilhões em despesas discricionárias, que podem ser liberadas no decorrer do ano.

Leilões 

No início do mês tivemos o que foi chamado de Infra Week. Esta semana terminou com a concessão de 28 ativos, entre aeroportos, terminais portuários e uma ferrovia, à iniciativa privada. Arrecadando R$ 3,5 bilhões e com previsão de investimento de R$ 610 milhões. 

Já na última semana do mês tivemos o leilão da da Cedae (Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro), que arrecadou R$ 22,6 bilhões. O projeto ainda prevê investimentos de cerca de R$ 30 bilhões e terá um prazo de 35 anos. 

Compras e Fusões do Mercado 

O Grupo Soma anunciou a compra da Hering numa transação de mais de 5 bilhões de reais. A marca Catarinense está em atividade sob gestão da família fundadora há 140 anos. 

Foi anunciada a aprovação da combinação de negócios entre Lojas Americanas e a B2W que estava “namorando” desde Fevereiro. Segundo a Guide Investimentos, a incorporação não só vai criar ganhos operacionais, como também aproximará a Americanas (novo nome para a B2W após a fusão) do grande diferencial do Magazine Luiza: a multicanalidade. 

Indicadores 

O Ibovespa fechou abril com ganhos de 1,9%, o mercado deu uma descansada em meio à redução de riscos fiscais. 

O mês de Abril foi marcado pelo anúncio de um pacote de estímulos de US$ 1,8 trilhões focado em saúde e educação vindo dos EUA. Joe Biden anunciou que este pacote será parcialmente compensado por um aumento de impostos. Lá das terras de Biden também veio o anúncio do PIB do primeiro trimestre que indicou que a economia americana viu forte crescimento de 6,4% anualizado no período. 

Por aqui, o IPCA-15, divulgado esta semana, também aponta para um cenário de recuperação gradual da atividade, inflação ainda pressionada e resultados fiscais relativamente positivos. O IPCA-15 é a prévia do resultado do IPCA, ele tem o objetivo de monitorar a variação de preços e é divulgado a cada 15 dias. 

A inflação medida pelo IPCA-15 subiu 0,6% em abril, um pouco abaixo das expectativas; já o IGP-M variou 1,51% neste mês.  Também tivemos o resultado do CAGED referente a Março, que mostrou expansão das vagas do mercado de trabalho formal. Porém, os dados fiscais referentes a março mostraram forte arrecadação e gastos em níveis mais baixos, principalmente devido a não aprovação do orçamento, contribuindo para resultados melhores do que o esperado para o mês.

O que esperar de MAIO? 

Apesar do cenário ainda desafiador, a economia vem sinalizando sua retomada gradual, além das iniciativas do setor privado de acelerar a abertura total das empresas, produzindo bons resultados mais à frente. 

O que parecia não ter fim agora começa a ensaiar um período para terminar. Mostrando um cenário mais previsível com o avanço da vacinação e redução do número de casos (mesmo tudo ainda estando bastante turbulento). 

As principais decisões referentes ao mercado devem ocorrer já no início do mês. 

Os olhares estão voltados para a reunião do COPOM que vai acontecer já nesta semana. Na quarta-feira (5) será anunciada a decisão sobre a Taxa Selic e as apostas são para aumento de 0,75% e 1% (hoje ela está em 2,75%). 

Além disso, os investidores continuam monitorando o andamento da agenda de reformas, após a sinalização de que a versão inicial do texto da reforma tributária deverá ser apresentada na Câmara dos Deputados na segunda-feira (3). O líder do governo na Câmara, Gustavo Barros, anunciou um acordo para a votação da reforma tributária em quatro etapas. A primeira seria a criação de um ICMS Federal, em substituição ao PIS e à Contribuição Social.